História 11

 

A última vez que vi o saci foi em 2001, em, pasme, são paulo, num nono
andar da vila madalena. Na época eu estava sem dinheiro pra comprar
cigarros, e optei pela versão mais barata de tabaco, aquele famoso fumo
trevo, que vem num saquinho. Esse fumo vem solto e tem que ser enrolado em
cigarro, e eu tinha um maço de palhas para enrolar meus cigarros.
Estávamos eu, minha prima e o namorado dela muito tranquilamente em casa.
Certo momento minha prima precisou dos óculos e não conseguiu achar. O
namorado dela, André, riu: "vai ver foi o saci que pegou". "Que que o
saci ia querer com meu óculos?"
Já faz um tempo, e eu não me lembro bem, mas outra coisinhas também deviam ter
"sumido" misteriosamente, e o André rindo do saci. Quando eu resolvi
enrolar um cigarro, surpresa: cadê meu tabaco? eu sou uma fumante bem
intensa e precisava fumar um cigarro, botei todo mundo em pé procurando
meu tabaco. Foi nessa procura que a gente deu falta também dos meus
fósforos. Aí não tinha dúvida: tabaco? fogo? era o saci!
O andré então sacou um plano do qual eu nunca tinha ouvido falar. Ele
cortou uma fita de palha das minhas palhas de enrolar cigarro e amarrou no
pé da cadeira: "se vc faz um nó com uma palha, dá dor de barriga no saci,
e a gente não desfaz o nó até o saci devolver o fumo e o fogo." (e todas
as outras coisas.)
Bom, levou até o dia seguinte pra gente encontrar as coisas sumidas. Eu
tive que descer duas vezes pra comprar cigarro avulso na padaria. Quando
as coisas reapareceram (cada uma em um cômodo diferente), a gente soltou a
palha que dava dor de barriga no saci. Suponho que ele tenha ido embora,
pro apartamento de alguém que tivesse um tabaco de melhor qualidade. E
isqueiro ao invés de fósforos. Saci interesseiro.
Não sei se foi o saci ou simples distração nossa, mas a história que a
palha com nó dá dor de barriga no saci... acho que vale a pena contar. De
onde o André tirou essa idéia?

Espero que essa história, mesmo antiga, ajude a encontrar as pistas de
onde anda esse moleque sacana.

Um abraço,

Maria Teresa,
Campinas/SP

<mariatcv@iel.unicamp.br>

 

<< voltar